Brasil estrutura rede de diagnóstico de peste suína africana

Unidade de Minas Gerais da Rede de Laboratórios Federais de Defesa Agropecuária fará o diagnóstico de casos suspeitos. Medida vem após focos da doença serem identificados na República Dominicana.


A Rede de Laboratórios Federais de Defesa Agropecuária (Rede LFDA) está apta a identificar eventuais casos de vírus da peste suína africana (PSA) no Brasil, um passo importante entre as medidas de vigilância para permitir uma rápida reação se a doença aparecer no país.


O registro de focos da doença na República Dominicana, o que mostra que o vírus já está no continente americano, deixou a indústria em alerta. Um comitê com a participação da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) foi instalado neste mês para debater estratégias de prevenção.

"A chegada da PSA ao continente americano, confirmada em julho, aumenta o estado de atenção com intensificação das medidas para prevenir a introdução da doença no Brasil", afirmou o Ministério da Agricultura em nota nesta terça-feira (17).

A peste suína africana é uma doença viral que não oferece risco à saúde humana, mas pode dizimar criações de suíno, pois é altamente transmissível.

No hipótese de suspeita do vírus que já dizimou o rebanho chinês, a unidade de Minas Gerais (LFDA-MG) será o laboratório oficial do ministério, que realizará o diagnóstico, disse a pasta.


O ministério afirmou que desde 2018, quando a PSA se disseminou na China e outros países da Ásia e Europa, vem sendo desenvolvidas ações para fortalecer as capacidades de prevenção do ingresso do vírus da PSA no país, visando a detecção e diagnóstico precoces e resposta rápida a eventuais incursões da doença no Brasil.


A pasta ainda disse que a padronização e verificações dos métodos de diagnóstico vêm sendo trabalhadas pelo laboratório em Minas Gerais desde 2015, tendo sido concluída a validação completa de suas técnicas moleculares para identificação da doença em outubro de 2020.


A ampliação para realização do diagnóstico em outros laboratórios da Rede LFDA também já está sendo discutida no ministério.


Peste suína africana


O registro da peste suína africana na República Dominicana é o primeiro nas Américas desde a década de 80, quando ela foi considerada erradicada, após casos no Brasil, em Cuba, no Haiti e na própria República Dominicana.


Atualmente, o Brasil é o quarto maior produtor e exportador mundial de carne suína. Produziu 4,436 milhões de toneladas em 2020 - cerca de 4,54% da produção mundial - e exportou 1.024 mil toneladas - 23% da produção nacional - para 97 países.


A doença chegou ao Brasil em 1978 no estado do Rio de Janeiro, por meio de resíduos contaminados de alimentos provenientes de voos internacionais com origem em países onde a doença estava presente.


A última ocorrência de PSA no Brasil foi registrada no estado de Pernambuco, em novembro de 1981, e as medidas aplicadas pelo serviço veterinário oficial brasileiro permitiram a erradicação da doença em todo seu território e a declaração de país livre de PSA em 1984.


0 visualização0 comentário